Pa ra la ma


 

Para-lama, clama, lama para 
 
Paga e apaga, acenda e pague a vela 
 
Negue, pegue, entregue e ergue o terço 
 
Um quarto, quatro de um sexto quarto 
 
Vede, perde, mede, pede e impede a loucura 
 
Pescoço, osso, poço, colosso e irreal 
 
Fraternal, banal, acidental e natural doçura 
 
Colossal, coloco o mal com sal nesta salmoura 
 
Fora, forra, afoga e torra a torradeira 
 
Seta injeta, gela o gelo dessa geladeira 
 
A barra burra borra e de birra berra 
 
O cais no mais não traz e o capataz não faz nada 
 
Cilada, se calada ladra imagine amedrontada 
 
Patada, fada e nada, tapa a entrada toda vida 
 
E o para-choque para e choca com o para-lama 
 
E a lama suja choca com o para-lama e para o choque 
 
E a lama para no para-lama e de choque a poesia para 

 

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: